10 coisas que você precisa saber sobre a Introdução Alimentar

comentários
20.fev.17

 

Quando iniciamos a Introdução Alimentar da Sofia surgiram várias dúvidas e dificuldades. Nas primeiras tentativas ela recusava TU-DO – juro que isso já aconteceu um dia rsrs, mas hoje em dia ela come super bem, adora verduras e legumes.

Aprendemos que os principais fatores de sucesso para uma boa alimentação é PACIÊNCIA e PERSISTÊNCIA!

Sabemos que nem sempre a prática é igual a teoria, por isso pesquisamos e nos informamos, mas quando necessário adequamos a nossa realidade.

A seguir 10 coisas sobre a Introdução Alimentar dos filhos que todos nós precisamos saber. As respostas seguem as recomendações do Ministério da Saúde, nutricionistas, pediatras e a minha experiência como mãe.

01 – Qual o momento ideal para iniciar a introdução alimentar?

Até os 06 meses de vida o leite materno (LM) é o alimento ideal e mais completo para o bebê, ele supre integralmente todas as suas necessidades, é de fácil digestão e não sobrecarrega o intestino e os rins, além disso o protege da maioria das doenças.

O sexto mês de vida é o momento ideal para introdução de novos alimentos, pois é quando a necessidade nutricional do bebê aumenta e o seu organismo está preparado para receber novos alimentos.

Para o bebê que não mama exclusivamente no peito a introdução alimentar pode ser iniciada em outro período, converse com o pediatra do seu filho a respeito e siga as suas recomendações.

02- Só tenho 04 meses de licença materna e vou voltar a trabalhar, o que devo fazer?

Você deve começar a se preparar antes de voltar ao trabalho, o ideal é continuar com a amamentação materna exclusiva até os 06 meses e você poderá ordenhar o leite e conservá-lo na geladeira ou refrigerador para ser oferecido ao bebê ao longo do dia. Caso não seja viável manter a amamentação exclusiva, a partir do quarto mês de vida do bebê já é possível iniciar a introdução alimentar, converse com o pediatra do seu filho a respeito.

Obs: O leite materno está adequado para o consumo quando conservado por até 12 horas na geladeira, ou 15 dias no refrigerador. Seu aquecimento deve ser feito em banho-maria (não aquecer no micro-ondas e não fervê-lo). Para maior durabilidade o leite pode ser pasteurizado, procure um banco de leite humano (BLH) para maiores informações. Fonte: Ministério da Saúde.

03 – Posso continuar com o aleitamento materno exclusivo depois dos 06 meses?

O Ministério da Saúde recomenda que o aleitamento materno exclusivo ocorra até os 06 meses de vida. A partir dos 06 meses deve-se continuar amamentando, mas é necessário oferecer novos alimentos, pois a necessidade nutricional do bebê aumenta.

No inicio a amamentação continuará sendo a principal fonte de nutrientes, mas isso irá se inverter gradualmente até que a alimentação seja a principal fonte e a amamentação torne-se complementar.

04 – Faz mal amamentar depois dos dois anos de idade?

Não faz mal. A amamentação tem diversos benefícios até os dois anos de vida, após essa idade, a amamentação continua sendo um momento de afeto entre mãe e bebê, mas deixa de ser importante como fonte nutricional e fortalecimento do sistema imunológico. Se você optar por continuar amamentado vale a pena avaliar se esta amamentação esta contribuindo com o desenvolvimento emocional da mãe e do bebê.

05 – Posso dar água ou chá para o bebê?

É preciso fazer algumas considerações, o bebê que é amamentado exclusivamente de leite materno, não precisa nenhum outro tipo de alimento uma vez que o LM atende todas as suas necessidades. A água ou chá são desnecessários, além disso, não possuem quantidade significativa de calorias para alimentar, e como o estomago do bebê é pequeno esses líquidos ocupam espaço que deveria ser do leite materno. É preciso ainda se avaliar se não irá atrapalhar na amamentação, pois quando o bebê experimenta outro bico dentro da boca, ele pode ficar confuso e começar a atrapalhar-se na hora de mamar – às vezes isso leva-o a abandonar o peito.

Para o bebê que já usa leite artificial (LA) na mamadeira não há restrição a água ou chá.

06 – Posso oferecer suco para o bebê?

Hoje é defendido mundialmente que não se ofereça suco ao bebê menor de 01 ano. Pois sabe-se que a fruta in natura tem maior valor nutricional que o suco.

O açúcar da fruta está dentro das estruturas fibrosas que quebram lentamente durante a digestão e por isso é absorvida lentamente pelo organismo, na preparação do suco parte dessas fibras são quebradas e por isso o suco contém valor reduzido de fibras e um teor muito alto de açúcar (alto índice glicêmico).

O alto índice glicêmico pode provocar uma liberação maior de insulina, que é um dos fatores que podem favorecer o diabetes tipo 2.

Por isso sempre de preferência para o consumo da fruta in natura.

07 – Quais frutas são permitidas para bebês de 06 meses? O morango é permitido?

Não há restrição a nenhum tipo de fruta. TODAS são permitidas, mas a introdução deve ser gradual, ofereça apenas 01 tipo de fruta por dia e veja como o organismo do bebê reage. É permitido oferecer morango também desde que ele seja orgânico, pois o morango é uma fruta com grande quantidade de agrotóxicos.

08 – Como devo preparar a papinha do bebê?

A papinha deve ser preparada preferencialmente sem misturar ou bater, pois quando cada alimento é oferecido separadamente o bebê conhece o sabor de cada um e aprende a comer aquele alimento. Quando oferecemos tudo batido ou misturado a tendência é o bebê aceitar e comer bem, mas depois quando os alimentos forem oferecidos separadamente ele pode se tornar seletivo e não aceitar mais os alimentos que antes ele comia.

Quanto mais variada e colorida, mais nutritiva e estimulante se torna a alimentação da criança. A papinha deve ser composta por cereal ou tubérculo (alimentos energéticos), proteína (alimentos de origem animal ou grãos), verdura, e temperos naturais.

  • Cereal ou tubérculo: arroz, batata, mandioca, cará, inhame, milho, farinhas, batata doce.
  • Proteína: carne vermelha, frango, peixe, miúdos, gema de ovo, feijão, lentilha, soja, grão de bico, ervilha seca.
  • Verdura: chicória, espinafre, mostarda, alface, couve.
  • Legumes: cenoura, abóbora, abobrinha, beterraba.
  • Temperos: apenas os naturais como alho, cebola, ervas, salsinha e azeite. Não acrescentar sal!

09 – Qual deve ser a consistência da papinha do bebê?

Nesta fase o bebê já está pronto para receber alimentos sólidos, cozidos, sob forma de papa ou purê. Pode-se oferecer amassadinha ou desfiada e gradualmente introduzir pedacinhos.  Não se recomenda dar a papinha líquida, passar os alimentos pela peneira ou mesmo triturá-los no liquidificador pois é necessário incentivar a mastigação do bebê para fortalecer a musculatura que auxilia no desenvolvimento da fala.

10 – Quantas vezes devo oferecer um determinado alimento?

O bebê desde o seu nascimento só conhece o sabor e a textura líquida do leite, portanto ao oferecer um novo alimento é natural que ele não aceite na primeira tentativa. São muitas as novidades, cor, textura, cheiro e sabor. Por isso, ao oferecer um alimento novo é necessário oferecê-lo até 10 vezes antes de afirmar que o bebê não gosta. Tente oferecer de diferentes formas raspadinho, amassado, cru, cozido, etc.

Espero que estas recomendações te ajude na Introdução Alimentar do seu bebê, se tiver dúvidas ou dicas adicionais compartilhe aqui conosco.

 

Tags: , ,

Deixe seu comentário